Início Notícias
The News
Mulheres no Agro PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrador   
Seg, 30 de Janeiro de 2017 09:09

A força da mulher no campo

Por Roberta Züge; membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS); Vice-Presidente do Sindicato dos Médicos Veterinários do Paraná (SINDIVET); Médica Veterinária Doutora pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ/USP); Sócia da Ceres Qualidade.

 

Em rotina de propriedade leiteira a mulher tem se destacado em alguns setores, ordenha e cuidados de bezerros já são áreas, na produção leiteira, que as mulheres estão dominando. Além disso, em laticínios pequenos, muitas vezes, as mulheres são responsáveis por quase toda a produção: deste a ordenha até o processamento final, passando pelos cuidados de higiene e de qualidade do produto.

 

Antes as mulheres se dedicavam menos ao trabalho na área de produção, ficavam mais com os serviços domésticos, cuidando das crianças e dos afazeres cotidianos da casa. Os eletrodomésticos eram mais raros, poucas residências dispunham de máquinas de lavar roupa, até mesmo de aparelhos refrigeradores, e os filhos eram numerosos.  Atualmente, mesmo em propriedades bem mais simples, a máquina de lavar roupa é um bem quase imprescindível e o número de filhos diminuiu visivelmente. Os refrigeradores são sempre encontrados e muitas casas contam com potentes freezers.  Assim, com algumas facilidades chegando às moradias do campo e menos crianças para cuidar, as mulheres começaram a assumir mais (pois, sempre trabalharam) áreas que eram quase exclusivas dos homens: foram imprimindo, nas práticas de ordenha, os conhecimentos de higiene, que realizam na cozinha de casa, e cuidados com recém-nascidos, da experiência dos filhos, aos bezerros. Práticas que os homens não tinham (muitos ainda não têm) muita intimidade.

 

Com isto, a ampliação da mulher na rotina de ordenha e cuidados de bezerro se consolidaram. Há propriedades que contratam especificamente mulheres para estes setores, pois perceberam ganhos sólidos na produtividade e na qualidade do leite.

Na Galícia, Espanha, as mulheres do campo se uniram e formaram a Federação das Associações de Mulheres Rurais em Galicia (Fademur). Esta organização tem dado voz a mulheres que atuam no setor, que sempre são relegadas ao papel secundário. As mulheres atuam, mas seus nomes não constam nos documentos e registros que constam a produção. Com isto, a Federação pretende reverter essa divisão de papéis, que foi fomentado num cenário de sexismo e transformá-lo em uma oportunidade para o progresso da pecuária, da região e vizinhança.

 

A Fademur (http://www.fademurgalicia.es/) tem como premissa a luta pela igualdade e progresso de mulheres do meio rural, com igualdade no trabalho nas propriedades, assim como as demais atividades industriais e de serviços. Atualmente é composta por 40 associadas; mulheres do meio rural. Dando continuidade à busca do reconhecimento da mulher no campo, a Fademur lançou a primeira marca de leite de gestão 100% feminina.

 

Além do apelo de ser produzido por mulheres, a marca prioriza a economia rural de proximidade, permitindo a redução da pegada de carbono, promove a capacitação das mulheres rurais, por meio da independência econômica e, naturalmente, o compromisso de produtos de alta qualidade.

 

A ideia surpreendeu positivamente e logo deve aportar também do outro lado do Atlântico. Aqui há muitas mulheres responsáveis pela produção, da ordenha ao processamento, mas, quase sempre o nome do queijo, ou produto, leva o mesmo do esposo, assim como os créditos pela produção. Muitas, inclusive, têm dificuldades para comprovar o trabalho na área rural, todas as notas, rebanhos, serviços, etc. e, principalmente, pagamentos, são no nome do marido. Que venha muito leite, continue branco e possa representar mais igualdade também na área rural.

Última atualização em Seg, 30 de Janeiro de 2017 09:11
 
Sustentabilidade certificada. PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrador   
Ter, 10 de Janeiro de 2017 15:22

A Frimesa está sendo pioneira e arrojada em acreditar na certificação da garantia da qualidade de toda a cadeia de produção.

 

A Ceres Qualidade foi contratada para assessorar a concepção e implementação deste processo, tanto na Frimesa quanto nas cinco cooperativas filiadas, que fornecem o suíno ao frigorífico: CVale, Copacol, Lar, Copagril e Primato.

 

O desafio é grande, mas conta com o apoio de técnicos e produtores, que sabem do grande potencial do Agronegócio brasileiro, e quanto a sustentabilidade da produção é uma realidade para muitos do campo.

 

A Frimesa pretende se tornar uma referência nacional na produção de carne suína e, para isso, prevê investimentos de R$ 2,5 bilhões em toda a cadeia produtiva até 2030. Com sede em Medianeira (PR), a empresa é uma central, que reúne cinco cooperativas filiadas e tem produtores que atuam como parceiros e fornecedores de matéria­prima. Além da suinocultura, ela também atua no setor de lácteos. "Até 2018, toda nossa produção terá controle de origem, com certificações que atestam a qualidade em questões como ração animal até bem­estar das criações e dos rabalhadores", afirmou o diretor executivo da Frimesa, Elias José Zydek, ao Broadcast Agro, serviço de notícias do agronegócio em tempo real do Grupo Estado.

 

leia mais, acesse o link Reportagem

 

Parabéns aos envolvidos

Última atualização em Ter, 10 de Janeiro de 2017 15:35
 
Leite para todos PDF Imprimir E-mail
Qui, 05 de Janeiro de 2017 10:34

Por Roberta Züge; membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS); Vice-Presidente do Sindicato dos Médicos Veterinários do Paraná (SINDIVET); Médica Veterinária Doutora pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ/USP); Sócia da Ceres Qualidade.

 

 

O leite, mesmo com as inúmeras críticas e teorias fantasiosas, que invadem as mídias sociais e são replicadas mais que bactérias em placas de cultura, continua sendo um alimento apreciado e um elemento essencial na dieta de muitas pessoas; no meio rural dizemos que é indispensável de mamando a caducando.

 

No entanto, inegavelmente diversas pessoas têm apresentado quadros de intolerância ou alergia ao leite. Este fato alimenta ainda mais as tais teorias. Por outro lado, enquanto o ceticismo, em relação ao real valor nutricional do leite, é fomentado por crendices, a ciências busca explicações.

 

Entre estes estudos, descobriu-se que os problemas de alergia, ou intolerância, parecem ter surgido há apenas um século. Mas o ser humano vem ingerindo leite, de origem bovina, há quase 10.000 anos. Assim, foi necessário investigar o que havia mudado neste último século.

 

As pesquisas demonstraram que reações dos humanos, em relação a lactose, tem relação direta com um tipo específico de proteína. Sabe-se que todas as fêmeas dos mamíferos, incluindo a mulher, produzem, no leite, uma proteína denominada βcaseina A2. No entanto, algumas fêmeas bovinas sofreram uma alteração genética e passaram a produzir também uma proteína denominada βcaseína A1. A única diferença entre as duas proteínas é apenas um aminoácido na 67ª posição entre 203 aminoácidos que compõem as duas proteínas. A βcaseína A1 possui um aminoácido histidina, enquanto que a βcaseína A2 tem uma prolina na 67ª posição. Este “detalhe” não é aceito pelo organismo de muitas pessoas, assim como, de diversos outros animais.

 

Última atualização em Qui, 05 de Janeiro de 2017 11:10
Leia mais...
 
« InícioAnterior12345678910PróximoFim »

Página 6 de 121.
CeresQualidade.com.br | Powered by Joomla!